Gravidez e apneia do sono: o que precisa de saber

gravidez e apneia do sono

Gravidez e apneia do sono: o que precisa de saber

A apneia do sono durante a gravidez pode causar problemas tanto para o feto como para a mãe, bem como nascimentos prematuros ou cesarianas não planeadas.

A apneia do sono é um problema grave, que pode ter graves repercussões na saúde daqueles que dela sofrem. Durante a gravidez, os riscos são ainda maiores e é por isso que, ao mínimo sintoma, é essencial consultar um especialista.

Esta perturbação respiratória manifesta-se sob a forma de pausas na respiração durante o sono. No caso de mulheres grávidas sem sintomas anteriores, pode aparecer no último trimestre de gravidez, quando o índice de massa corporal é mais elevado. Outros aspectos, tais como a idade da mãe ou obesidade, podem aumentar o risco de apneia do sono.

Segundo um estudo da revista Thorax, a prevalência da síndrome da apneia do sono em mulheres grávidas é de 8,4% no primeiro trimestre e de 19,7% no terceiro trimestre. Enquanto que a possibilidade de sofrer de apneia do sono aumenta de acordo com dois factores: quanto mais elevado for o índice de massa corporal e quanto mais velha for a futura mãe.

Quais são os riscos da apneia do sono durante a gravidez?

Durante a gravidez, muitas mulheres sofrem perturbações do sono, mas estas não devem ser confundidas com apneia do sono. As alterações fisiológicas no corpo de uma mulher podem causar desconforto ou mesmo ronco, que são, de qualquer forma, problemas menos graves.

Outros sinais que acompanham as mulheres grávidas com apneia do sono são o ar pesado ou asfixiado durante o sono, como resultado do ar tentar escapar através das vias respiratórias obstruídas ou estreitas.

As mulheres grávidas com apneia do sono também tendem a ter mais sono durante o dia e a ter mais facilidade em adormecer. Assim como enxaquecas de manhã, sentimentos de maior irritabilidade, perturbações do humor, a necessidade de acordar frequentemente para urinar, boca e garganta secas ao acordar e até dificuldade de concentração.

A apneia do sono durante a gravidez, por outro lado, pode ter consequências graves tanto para a mulher grávida como para o feto. De facto, foi demonstrado que nas mulheres com apneia do sono, os movimentos fetais podem ser reduzidos até 50% durante o sono não-REM e 65% durante a fase REM, quando os músculos estão quase completamente relaxados. Está actualmente em curso uma investigação sobre esta questão e as consequências para uma criança se a sua mãe tiver sofrido de apneia do sono durante a gravidez.

Uma destas consequências é um risco acrescido de desenvolver diabetes de tipo 2 e resistência à insulina. Quais são os efeitos da chamada diabetes gestacional sobre o feto? Desde o excesso de peso, que pode dificultar o parto natural, até ao parto prematuro ou dificuldades respiratórias à nascença.

Deve-se ter em conta que a obesidade em si mesma causa problemas respiratórios, de modo que o volume extra das mães pode causar complicações durante o sono. Neste sentido, é importante destacar um estudo realizado no Rush Medical Center da Universidade de Chicago que concluiu que 7 em cada 10 mulheres grávidas com diabetes gestacional podem sofrer de apneia do sono, algo que é complicado se houver outros factores de risco, tais como hipertensão ou obesidade.

Mas não só no feto, a diabetes na gravidez causa pré-eclâmpsia na mãe, uma tensão arterial elevada que pode pôr em perigo tanto a vida da mulher grávida como a do bebé. Também aumenta o risco de recorrência da diabetes no futuro. Razões suficientes para controlar a apneia do sono se esta ocorrer durante a gravidez.

Mas há outras consequências. Salientamos que a apneia do sono se manifesta sob a forma de pausas na respiração. Pausas que são contínuas, que causam micro-despertares e que afectam a qualidade do sono. Neste sentido, o repouso insuficiente, a falta de energia e o cansaço que provoca, pode levar a entregas mais longas ou mesmo à necessidade de cesarianas não planeadas.

Ghada Bourjeily, professora associada de medicina na Universidade de Brown em Providence, Rhode Island, estudou as ligações entre a apneia do sono e as complicações da gravidez. Ela disse que as mulheres com apneia do sono durante a gravidez eram cinco vezes mais propensas a sofrer de inflamação pulmonar e até 3,6 vezes mais propensas a ter insuficiência cardíaca congestiva. Também era duas vezes mais provável que precisassem de uma histerectomia, embora ela tenha dito: “Não podemos dizer que a apneia do sono esteja a causar estas associações, por isso temos de ter cuidado na interpretação disto, mas está certamente associada.

gravidez e apneia do sono

Como evitar os riscos de apneia do sono na gravidez?

É difícil evitar o início da apneia do sono durante a gravidez. As alterações hormonais são um dos factores que a podem desencadear, uma vez que a progesterona e o estrogénio causam o inchaço da garganta e as vias respiratórias relaxam, causando estas pausas na respiração.

É portanto muito importante detectar a apneia do sono o mais cedo possível, a fim de tomar medidas de controlo. Se identificar os sintomas acima mencionados, tais como ressonar alto acompanhado de asfixia, sonolência excessiva, dores de cabeça ao acordar, boca seca ou alterações de humor, deve também considerar a possibilidade de sofrer desta desordem.

O primeiro passo é consultar um especialista para analisar a situação e diagnosticar se o paciente sofre ou não de apneia do sono. Se assim for, o tratamento mais comum e mais eficaz é a utilização de um CPAP. Este é um dispositivo que sopra ar através de uma máscara, para que as vias respiratórias permaneçam sempre abertas.

Se um CPAP não puder ser utilizado, existem tratamentos de oxigenoterapia ou mesmo dispositivos orais que corrigem a posição da mandíbula para forçar a entrada de ar. Mas, em qualquer caso, deve ser sempre o especialista a recomendar o tratamento mais adequado para combater a apneia do sono.

E outra questão fundamental é a importância de manter a apneia do sono sob controlo, mesmo após a gravidez. Esta perturbação pode ser temporária, mas é importante assegurar que não reaparece ou manter o tratamento se não desaparecer após o parto.

A importância da postura ao dormir

Adormecer durante a gravidez pode ser complicado até a mulher grávida encontrar a posição de sono mais confortável para si e, claro, para o feto. Contudo, as coisas tornam-se mais complicadas quando a mulher grávida sofre de apneia do sono. Conseguir uma melhor postura é essencial para a saúde de ambos.

Os especialistas são claros: a maioria recomenda dormir do lado esquerdo, pois isto facilita o fornecimento de sangue e a passagem de fluxos gástricos sem pressão. Também aumenta a quantidade de sangue e nutrientes que atingem a placenta e o bebé.

Segundo um grupo de investigação da Universidade de Granada – Lo Monaco, dormir de costas evita a acidez e o refluxo, deixa a coluna vertebral mais relaxada, evita a pressão sobre o rosto e, assim, evita as rugas, embora seja uma postura que favorece o ronco, e dormir de lado na posição fetal alivia a tensão lombar, embora possa afectar as costas e, nas mulheres, a flacidez dos seios.

Quando a mulher grávida atinge o último trimestre de gravidez, é recomendada uma mudança de posição de sono e aqui a posição supina é, sem dúvida, a melhor. Por outras palavras, o corpo deve ser apoiado no plano horizontal na parte posterior, uma vez que tal contribui para a posição correcta do útero. As mulheres grávidas são também aconselhadas a ter um peso saudável apesar desta última fase, a fim de reduzir os riscos e complicações extra no momento do parto.

The following two tabs change content below.

Terapia CPAP Portugal

A Terapia CPAP é composta por uma equipe multidisciplinar de profissionais e colabora com diferentes especialistas em Pneumologia, Otorrinolaringologia, Neurologia, Cardiologia, Odontologia e Endocrinologia dedicados a melhorar a qualidade de vida de pacientes com Apneia Obstrutiva do Sono ou SAHOS (Síndrome da apnéia e hipopnéia obstrutiva do sono)..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.